OwlTail

Cover image of Prelo

Prelo

Prelo apresenta os recursos e reflexões para que escritores possam construir uma disciplina autoral, escrever o seu livro e publicar da melhor maneira possível. Se você nutre o desejo de escrever uma obra de ficção ou não-ficção: um romance, um livro de contos, uma peça de jornalismo literário, um ensaio, uma saga distópica, a narrativa de uma viagem, uma obra infantojuvenil ou um projeto autoficcional – ou se já publicou uma obra e gostaria de sanar as lacunas de sua formação –, você está no lugar certo. Prelo é um podcast quinzenal com o escritor e professor de criação literária Tiago Novaes, autor de uma variedade de livros, finalista dos maiores prêmios literários e vencedor de uma série de bolsas de criação. Combinando entrevistas com grandes escritores, editores e críticos, reflexões pessoais, leituras e experiências concretas na literatura, Prelo oferece os caminhos para que você possa vencer as bolhas do mercado editorial, compreender os segredos da Escrita Criativa e construir o seu projeto ficcional – da ideia original à publicação, da inspiração ao cotidiano de um escritor em tempo integral. Clique agora no botão de inscrição e assuma o seu desejo de tornar-se uma escritora ou escritor.

Weekly hand curated podcast episodes for learning

Popular episodes

All episodes

Warning: This podcast data isn't working.

This means that the episode rankings aren't working properly. Please revisit us at a later time to get the best episodes of this podcast!

Podcast cover

Terminei o meu livro. E agora? – Os primeiros passos da publicação independente e tradicional

#033 – Você enfim digitou o ponto final de sua obra em seu editor de texto. O arquivo está lá, numa pasta. O resultado de meses ou anos de trabalho. E agora? Quais os primeiros passos que você deve dar para publicar o seu livro, seja no formato de autopublicação independente seja para procurar uma editora que tope lançar a sua obra?Neste episódio de Prelo, o último da primeira temporada, você vai saber o que fazer para publicar da melhor maneira possível.Em seguida à publicação deste episódio enviaremos um material para os seguidores do canal e que complementem as informações aqui contidas. Não esqueça de se inscrever, clicando no link abaixo. Desta forma, você seguirá recebendo todas as semanas dicas de leitura, de escrita, orientações e conversas por e-mail.Clique aqui: https://escritacriativa.net.br/O Prelo voltará para a segunda temporada em julho!

35mins

11 May 2021

Rank #1

Podcast cover

Por que ler as obras contemporâneas?

#032 – Não resta muita dúvida hoje que, para escrever um bom livro, você precisa ser um bom leitor. E muito se diz da importância da leitura de obras clássicas para a formação autoral – Clarice, Lygia Fagundes, Cecília Meireles, Machado de Assis – são todos incontornáveis, e sabemos disso. Pouco se fala, contudo, da importância das obras contemporâneas para a formação do escritor.No episódio de hoje, você vai saber por que a leitura dos contemporâneos é fundamental. E por que você deve começar hoje mesmo a ler um bom livro contemporâneo.Clique no link abaixo para participar do canal! https://escritacriativa.net.br/

21mins

4 May 2021

Rank #2

Similar Podcasts

Podcast cover

A construção do hábito: a escrita diária, 66 dias depois

#031 – Durante 66 dias, o Tiago se dedicou à elaboração de um ensaio. Ao longo de pouco mais de dois meses, todos os dias da semana, de segundas às sextas-feiras,  das oito da manhã ao meio-dia, o autor debruçou-se sobre o seu projeto. O resultado foram 92 páginas e algumas convicções sobre a prática deliberada.Sessenta e seis dias é o tempo médio para que um hábito novo seja incorporado, para que a plasticidade cerebral faça a sua mágica e converta uma prática em algo corriqueiro. Este tempo foi o resultado de um estudo da psicóloga Jane Wardle, da University College de Londres, em um artigo publicado no European Journal os Social Psychology.Mas a prática deliberada possui outros efeitos: e alguns deles são significativos para as escolhas que a escritora ou escritor fazem em sua vida, para o sentido de realização e de felicidade. É disso que o Tiago fala no episódio desta semana.Clique no link para se inscrever no canal: https://escritacriativa.net.br/Observação: No episódio, o Tiago faz referência a um psicólogo húngaro de nome difícil de pronunciar. Trata-se de Mihaly Csikszentmihalyi, autor de Flow  – The Psychology of Optimal Experience. 

39mins

27 Apr 2021

Rank #3

Podcast cover

A biografia de uma ideia: a obra de Malcolm Gladwell como estudo de caso

#030 – À primeira vista, devo dizer que a obra de Malcolm Gladwell não me atraía. Mas também reconheço que se tratava apenas de uma impressão, daquelas que a gente tem sem saber nada do livro, e que pode produzir equívocos. Suas edições têm um design quase idêntico entre si: capas brancas, o mesmo tipo de fonte nas edições brasileiras e anglófonas. Uma chamada ampla, como que querendo abraçar coisas demais dentro de uma questão formulada de modo muito genérico. É por isso que só fui me aventurar a ler os seus livros por conta de uma sugestão, dessas que não se ignora. "Você já leu este cara? Analise a obra dele." E como respeito demais a autora da recomendação, resolvi fazer o que ela dizia. Analisar uma obra ultrapassa a leitura casual. É preciso buscar recorrências na leitura de mais de um de seus livros. Acompanhar as resenhas e comentários na internet, os debates nas redes sociais. Entender o fenômeno da obra, por assim dizer. Não sou jornalista, mas a curiosidade tenta suprir parte das minhas deficiências de investigador na hora de explorar os caminhos de um livro ou de um autor. Quando estamos interessados na escrita de um gênero específico, é muito interessante ir além da curiosidade mais imediata. Precisamos esticá-la nos limites do cansaço. Empregar um esforço que se volte não apenas para o chamariz imediato da leitura, mas para as suas estratégias discursivas, o modo como o autor ou autora produziram a sucessão de seduções e provocações do texto.Neste trigésimo episódio de Prelo, abro uma seção na conversa que iniciamos semana passada sobre a tipologia da não-ficção e me dedico a apresentar alguns dos resultados de um estudo de caso, o da obra de Malcolm Gladwell, autor de Blink – A decisão num piscar de olhos, Outliers – Fora de série e The tipping point – O ponto da virada. Apenas este último título teve cinco milhões de exemplares vendidos em todo o mundo. Não foi algo espontâneo, mas exigiu um projeto pessoal do autor. Em A biografia de uma ideia – a obra de Malcolm Gladwell como estudo de caso, apresento algumas pistas da popularidade de sua obra, além de recursos que você pode utilizar na elaboração de seu próprio livro.Inscreva-se no canal Escrita Criativa!http://www.escritacriativa.net.br/

34mins

20 Apr 2021

Rank #4

Most Popular Podcasts

Podcast cover

Tipologia da não-ficção

#029 – Acabo de ler numa crônica de jornal a frase de Hannah Arendt em seu, "Homens em tempos sombrios": "A questão é: quanta realidade se deve reter mesmo num mundo que se tornou inumano, se não quisermos que a humanidade se reduza a uma palavra vazia ou a um fantasma."As coincidências não existem de fato. Eu ia apresentar para você o episódio novo de Prelo, em que falo sobre A tipologia da não-ficção: em outras palavras palavras, quais são os dispositivos mais comuns para apresentar uma obra "baseada em fatos reais". Na escala de bizarrices, precisamos concordar que realidade tem superado a ficção. Nós, ficcionistas, estamos à mercê da realidade, sempre um ou dez passos atrás, como um detetive perseguindo um assassino. Quando julgamos inventar alguma coisa, ela aparece nos jornais. Acabamos com o mundo na ficção, e na realidade ela consegue terminar muitas vezes seguidas, e deixar-nos sobrevivendo para contar a história. A verdade é a agulha que se esconde num palheiro de opiniões, frases motivacionais e outras, fora de contexto. Existem muitas maneiras de procurá-la, e ela, ainda que múltipla, não pode ser confundida ao relativismo niilista, nem à roleta russa dos desiludidos.E o que nós, ficcionistas, fazemos com esta batata quente? Bons tempos em que um hobbit pegava uma trilha, lutava com orcs com ajuda de anões, elfos e feiticeiros, e salvava o mundo jogando um anel de invisibilidade na boca de um vulcão. O que fariam estes heróis diante dos derivativos e das bolhas do mercado financeiro, da pesca predatória que navios de origem europeia empreendem nas costas africanas e que empurram os antigos pescadores das cidades para o campo, intensificando o extrativismo e o desmatamento, expondo a espécie humana a uma multidão de vírus e doenças? Como se conta uma história destas realidades? E nas palavras de Hannah Arendt: quanta realidade se deve reter num mundo que se tornou inumano? Como fazer com que a nossa curiosidade converse com a curiosidade dos nossos leitores? Inscreva-se no canal Escrita Criativa!http://www.escritacriativa.net.br/

43mins

13 Apr 2021

Rank #5

Podcast cover

Amor e Política: uma conversa com Paloma Vidal

#028 –  No Prelo desta semana, Paloma Vidal junta-se a nós para falar de seu novo livro, Pré-história, definido na sinopse como uma carta de amor urgente.Sobretudo, a obra é um trabalho de catarse, uma escavação arqueológica para dentro de si que busca a compreensão do luto de um amor através de eventos e lembranças.Na nossa conversa, a autora fala sobre os métodos que utilizou para fazer o que chama de um livro de processos, e como resgatou a própria história para apresentá-la ao público: um ato de coragem. Navegando pelas lembranças, Paloma traça uma linha para unir o passado de sua memória com o que ela sabe agora, no presente. Como todo fazer arqueológico, os fragmentos coletados por Paloma permitem entrever um sistema mais amplo, aspectos sociais que se manifestam também nos afetos.Inscreva-se no canal Escrita Criativa!http://www.escritacriativa.net.br/

1hr 3mins

6 Apr 2021

Rank #6

Podcast cover

Recusa do não-lugar: uma conversa com Juliano Pessanha

#027 –  De um lado, um místico que garante que a sua singularidade vai florescer: você não precisará render-se à concretude da vida, pois você já não é banal. Do outro, o grande mundo, encarando o protagonista para dentro de sua casca ontológica.Nesta semana, Juliano Garcia Pessanha cava um buraco dentro de si para expor o embrião de um livro que ainda está nos primeiros estágios do desenvolvimento. Ele é escritor e filósofo, e sua obra é marcada por um hibridismo de gêneros de que já tratamos outras vezes aqui.Aqui, Juliano nos conduz por uma reflexão sobre o luto de um delírio messiânico, cultivado desde muito cedo e alimentado por uma espécie de romantismo, e o confronto inevitável com o mundo efetivo, material. Uma conta com a realidade que ultimamente todos estamos sendo obrigados a acertar enquanto seres coletivos. Inscreva-se no canal Escrita Criativa!http://www.escritacriativa.net.br/

53mins

30 Mar 2021

Rank #7

Podcast cover

O Salto Para a Escrita

#026 – Quando foi que a dúvida deixou de ser uma boa companhia?Talvez no momento em que a indiferença do escrúpulo tenha silenciado diante da pregação do inescrúpulo. Quando a verdade, sempre frágil e provisória, se viu paralisada perante as falsas verdades. Quando assistimos a uma geração de jovens apáticos e desorientados desperdiçando a vida em mundos virtuais e bolhas de proteção. Quando a dúvida passou ao corpo na forma de fibromialgias, transtornos compulsivos, automutilação e melancolias profundas. Quando nos demos conta de que o ponto de partida é um lugar em que você pode permanecer a vida toda. Um útero eterno. Quando já não conseguimos saber os critérios de escolha, e quando a única coisa que passou a nos preencher foram os pequenos índices narcísicos dos quais nos deixamos envolver, os pequenos objetos decorativos que compramos, vestimos, colocamos sobre a prateleira da sala, e que têm a nossa cara, ou mesmo quando as escolhas se desligaram dos princípios e dos valores e a nossa histeria nos impediu de dar um mergulho, qualquer mergulho que seja. A dúvida deixou de ser uma boa ideia porque perdeu toda a graça. Porque assumiu a sua covardia.Inscreva-se no canal! Clique aqui: https://escritacriativa.net.br/

33mins

23 Mar 2021

Rank #8

Podcast cover

Regras da Revisão

#025 –  Você conseguiu. Estabeleceu rotinas de escrita, venceu a disciplina e a hesitação. Alcançou as 40 mil palavras iniciais e, se embrenhando no processo, talvez tenha decidido ir além. Desenhou todos os traumas, cacoetes e trejeitos dos seus personagens, ou criou uma digressão para contar uma outra história que estava escondida dentro da primeira. Parágrafos inteiros dedicados à descrição daquele detalhe no cenário que, na hora, pareceu crucial para o andamento da narrativa. Pois é: chegou o momento de revisar.Neste Prelo, vamos conversar um pouco sobre essa etapa do processo que é tão importante quanto a escrita em si. O autor que não se dedica o suficiente à revisão perde a oportunidade de refinar o olhar para a própria obra. Sem medo de cortar o que realmente está sobrando: é tudo parte do ofício.Inscreva-se no Canal Escrita Criativa.http://www.escritacriativa.net.br/

38mins

16 Mar 2021

Rank #9

Podcast cover

A terapêutica da escrita

#024 – Escrever é um ato de enfrentamento. De corpo a corpo. Não à toa, Kafka, Enrique Vila-Matas e Maurice Blanchot assumiram de forma recorrente a sua dificuldade em relação à prática da escrita. E mais que isso: fizeram da resistência um mote, um motivo artístico.São dois afetos contraditórios. Anseio e ansiedade. Medo e desejo, traduzidos pela hesitação. A caneta corta o papel, a narrativa rasga a nossa biografia, faz aí uma alquimia. Quem escreve, proscreve e prescreve. É muito poder. Demais, talvez.Você: hesita? Qual a raiz da sua hesitação? Se você tem expectativas em relação à escrita, certamente já experimentou aquele momento epifânico de comunhão com a palavra, que justifica o desejo de escrever. Mas daí, no correr dos dias, a corrida passa a valer por si mesma. “Sonhos não enchem a barriga. Preciso cuidar da minha vida. Não sou bom, mesmo.” Sem estes anseios e a hesitação que lhes convém, não passamos disso – de barrigas. Quando os tais sonhos parecem complexos demais, há uma força pulsional que deseja nos resumir a pouco, ao minimalismo organicista das necessidades elementares.Neste episódio do Prelo, falo sobre como fazer da resistência um recurso a favor da autora, do autor, e apresento algumas soluções para transformar o medo em potência criativa, considerando em que medida a dor pode estimular a produção literária e qual as condições necessárias para se valer desse páthos, a fim de que estejamos à altura da aventura de nossa vida, sem dobrarmo-nos às nossas próprias neuroses. Inscreva-se no canal: http://escritacriativa.net.br/

36mins

2 Mar 2021

Rank #10